A GOL Linhas Aéreas e a holandesa Transavia firmaram um acordo para trazer ao Brasil 7

aeronaves Boeing 737-800 pertencentes à empresa holandesa em regime de sub-

arrendamento. O primeiro deles, de matrícula PH-HXG, já está a caminho do Brasil, onde

passará por um processo de nacionalização em Confins, antes de ser incorporado à malha

da empresa.

 

Ambas as companhias operam com frotas baseadas no Boeing 737, no entanto, o que

geralmente acontecia era a companhia holandesa receber aviões da brasileira durante o

período de alta temporada europeia. No entanto, com a paralisação dos Boeing 737 MAX 8

(a Gol tem 7 parados em Confins e mais 7 na fábrica da Boeing), dessa vez ocorrerá o

processo inverso.

 

Inicialmente, era previsto que cinco aeronaves ex-Transavia chegassem ao Brasil a partir de

novembro, e por tempo limitado, com objetivo de cobrir a alta temporada de verão daqui.

No entanto, esse número já foi ampliado para treze aeronaves, sendo 7 da Transavia e mais

6 de outras empresas, bem como o prazo de permanência delas aqui passou a ser

indeterminado, embora saiba-se que será temporário.

 

Ontem, a Gol avisou ao mercado que está retirando de operação um punhado de Boeing

737-800 NG, em observância à recomendação da Boeing de realizar inspeções nas asas

devido a rachaduras, um outro golpe que se soma à parada do Max.

 

Que bonita sua roupa

Um detalhe que chama a atenção nessa aeronave, cuja foto abre essa matéria, é o grande

desvio da pintura padrão da Gol. Um adesivo desproporcional – e mal-posicionado – foi

colado na fuselagem branca, ainda com restos da pintura da Transavia. Assim como as

winglets e os motores estão sem pintura. Como a vinda das aeronaves é temporária,

imagina-se que não existe viabilidade econômica em pintar toda a aeronave no esquema da

GOL.

 

 

FONTE: aeroin.net